Bente Sorgenfrey: Privilegiar os aspetos essenciais da minha vida

Quando a crise da COVID-19 eclodiu na Dinamarca, em 11 de março, eu e os meus colegas empenhámo-nos em assegurar um encerramento ordenado das atividades dos nossos membros. Muitos trabalhadores tiveram de trabalhar a partir de casa e outros viram-se confrontados com situações de grande tensão nos hospitais, nos lares e no setor dos serviços, que permaneceram abertos durante a crise. Impunham-se respostas claras e uma cooperação estreita com os colegas. 

Sou igualmente vice-presidente da Confederação Europeia de Sindicatos (CES), pelo que também tive trabalhar com colegas de outros países. Fiquei muito satisfeita quando, em 14 de março, o Governo dinamarquês e os parceiros sociais celebraram um acordo tripartido sobre a compensação salarial temporária. O acordo abrange os trabalhadores de empresas privadas que atravessam uma situação financeira particularmente difícil devido à COVID-19.

Puderam utilizar este novo regime de compensação salarial as empresas que optaram por não recorrer aos regimes que permitem suspender temporariamente o contrato de trabalho e a remuneração dos trabalhadores. Foram criados regimes de apoio às pequenas empresas, aos trabalhadores por conta própria e aos freelancers. Algumas partes do acordo expiram em breve e estamos atualmente a negociar a sua substituição, para que os trabalhadores continuem a ser protegidos.

Estou a trabalhar a partir de casa e rapidamente me tornei uma utilizadora intensiva das novas ferramentas virtuais. Este tempo em casa poderia ter sido muito desgastante perante a incerteza sobre o futuro, mas acabou por me permitir concentrar-me inteiramente no meu trabalho e dedicar mais tempo à minha família. Estou convencida de que estes últimos meses fomentaram, em mim e nos meus colegas, um maior capacidade para nos focarmos na nossa missão principal e contribuíram para uma maior disciplina nas reuniões. A título pessoal, este período tem-me permitido privilegiar os aspetos essenciais da minha vida.