O transporte de mercadorias através da combinação de vias navegáveis e terrestres será mais fácil na Europa logo que resolvidos os problemas que afetam a intermodalidade. No parecer elaborado por Stefan Back e adotado na reunião plenária de julho, o Comité observa que a falta de interoperabilidade e a insuficiência de infraestruturas têm um impacto importante no desenvolvimento do transporte integrado de mercadorias, não deixando muitas vezes aos operadores outra opção que não seja a utilização do transporte rodoviário. Por sua vez, esta situação tem repercussões negativas no ambiente.

Comentando a adoção do parecer, Stefan Back salientou que a UE, de um ponto de vista regulamentar, precisava de uma abordagem pragmática e eficiente em termos de recursos: «Temos de abordar diretamente as questões pendentes e resolvê-las rapidamente. Os transportes e a logística multimodais devem ser eficientes e sustentáveis, não mais dispendiosos, mais lentos e menos fiáveis do que, nomeadamente, o transporte unimodal rodoviário. Para se encontrar uma solução viável a longo prazo não basta a adoção um novo quadro regulamentar específico ou a injeção de novos recursos financeiros.»

Atualmente, o transporte multimodal de mercadorias carece de eficiência e sustentabilidade. A combinação dos diferentes modos de transporte por vias navegáveis e terrestres é muito oneroso devido aos custos resultantes do transbordo e das transações, para além de ter desvantagens como os longos prazos de entrega, a complexidade, o maior risco e a menor fiabilidade. Por todas estas razões, o transporte multimodal não é hoje muito atrativo. A fim de desempenhar na íntegra o seu papel no sistema de transportes, o transporte multimodal deve tornar-se intrinsecamente competitivo e lograr fluxos eficientes e contínuos aos mesmos custos que o transporte unimodal. (mp)