Mobilidade na UE deve ser sustentável e inteligente

O futuro dos transportes na UE deve ser sustentável, social e inteligente: tal é o desafio enfrentado por um setor que se transformou radicalmente nos últimos anos e foi duramente atingido pela pandemia de COVID-19. No debate em reunião plenária sobre a nova estratégia da Comissão para os transportes, realizado em 28 de abril de 2021, a presidente do CESE, Christa Schweng, salientou que a Europa necessita de uma visão para um mundo pós-COVID-19. Em matéria de transportes, essa visão deve incluir a mobilidade sustentável, inteligente e resiliente.

Em sintonia com esta posição, a comissária dos Transportes, Adina Vălean, salientou que a pandemia não alterou a visão global da Comissão para os transportes, firmemente ancorada no Pacto Ecológico Europeu e assente nos pilares da descarbonização e da digitalização.

O CESE apoia globalmente a abordagem geral da Comissão de alinhar a respetiva Estratégia de Mobilidade Sustentável e Inteligente pelos objetivos do Pacto Ecológico Europeu. No entanto, no parecer elaborado por Stefan Back e Tanja Buzek, adotado em 27 de abril de 2021, o CESE manifesta dúvidas quanto ao justo equilíbrio na nova abordagem entre medidas técnicas e estratégicas relativas aos transportes.

Muitas das medidas propostas em matéria de sustentabilidade e digitalização terão repercussões significativas para o mercado único e os trabalhadores do setor. Infelizmente, a estratégia não tem suficientemente em conta estes aspetos, o que pode comprometer o êxito da sua aplicação. Além disso, uma transformação sustentável e digital dos transportes da UE só será possível reforçando a competitividade do setor no seu conjunto e da base industrial conexa da UE. (mp)