Nova estratégia da UE de luta contra o cancro é excelente oportunidade para proteger a saúde dos europeus

Face às previsões de que o cancro passará a ser a principal causa de morte na UE, o Plano Europeu de Luta contra o Cancro é, sem dúvida, oportuno. O CESE congratula-se com este plano, que constitui um marco na luta contra o cancro. No entanto, tendo em conta as diversas desigualdades regionais e sociais que continuam por resolver, ainda há margem para melhorias.

O CESE apoia firmemente o novo plano da Comissão dotado de 4 mil milhões de euros para financiar ações de luta contra o cancro, o primeiro documento estratégico desde 1990 dedicado à luta contra este flagelo.

«A UE necessita de um novo Plano Marshall para a oncologia, e este é um passo na direção certa. Não podemos desperdiçar esta oportunidade», salientou Małgorzata Anna Bogusz, relatora do Parecer do CESE – Plano Europeu de Luta contra o Cancro.

«Este plano é adequado à sua finalidade, na medida em que abrange muitos aspetos essenciais da luta contra o cancro», afirmou Milena Angelova, correlatora do parecer.

A mortalidade e a morbilidade desta doença estão correlacionadas com o tipo de cancro e com a localização e os gradientes sociais dos doentes. Há que prestar atenção às disparidades regionais no que diz respeito às infraestruturas e aos desequilíbrios sociais relacionados com o emprego e o género.

O CESE incentiva os Estados-Membros a serem proativos e realça a necessidade da uma prevenção eficaz das formas de cancro de origem profissional, solicitando que se aprofunde a investigação sobre a exposição a agentes cancerígenos, a agentes mutagénicos e a desreguladores endócrinos e sobre as causas do cancro de origem profissional, particularmente nas mulheres.

Por último, mas não menos importante, o parecer destaca o papel fundamental desempenhado pelos parceiros sociais e pelas organizações da sociedade civil nas campanhas de sensibilização e na promoção de estilos de vida saudáveis. (at)