Número recorde de mulheres e de novos membros no CESE

Image
Renewal rate per country

O mandato do CESE 2020-2025 regista o número mais alto de mulheres e de novos membros desde 2010, data das primeiras estatísticas sobre a composição do CESE. Entre os membros da Irlanda, 33% são novos membros e 22,22% são mulheres.

A percentagem de mulheres é a mais alta jamais alcançada, atingindo 33%, contra 28% em 2015 e 24,70% em 2010 (ver gráfico 3).

Além disso, pela primeira vez em 15 anos, uma mulher, a austríaca Christa Schweng do Grupo dos Empregadores, assumirá a liderança do novo Comité.

Os países com a maior percentagem de mulheres são a Estónia (85,71%), a República Checa e a Croácia (ambas com 66,67%). No extremo oposto encontram-se Portugal e Chipre, que não nomearam uma única mulher. A Suécia apresenta um equilíbrio de género perfeito (ver gráfico 2).

No total, sete países (aos já referidos acresce a Hungria, a Letónia, a Lituânia e a França) estão representados por mais mulheres do que homens.

Dos três grupos que compõem o CESE, o Grupo dos Trabalhadores é o que engloba mais mulheres (37,96%) e o dos Empregadores o que engloba menos (28,30%), situando-se o Grupo Diversidade Europa entre os dois com 32,17%.

As orientações do Conselho da União Europeia enviadas aos Estados-Membros antes da renovação indicavam a necessidade de assegurar o equilíbrio de género. Embora o Conselho seja formalmente responsável pela nomeação dos membros do CESE, são os governos dos Estados-Membros que os designam após audição dos parceiros sociais e de outras organizações da sociedade civil.

Com 137 novos membros num total de 329, a nova Assembleia do CESE contará com a percentagem mais elevada de novos membros (41,64%) dos últimos três mandatos, uma subida em relação a 30%, em 2010, e 40,29%, em 2015 (ver gráfico 4).

A Letónia e a Estónia registam a taxa de renovação mais alta com cinco membros novos num total de sete, e a Bulgária a mais baixa com apenas dois membros em doze (ver gráfico 1).

 

O Grupo dos Trabalhadores regista o menor número de novos membros a exercerem um primeiro mandato (39 em 108) e o Grupo Diversidade Europa o maior (52 em 115), situando-se o Grupo dos Empregadores entre os dois (46 em 106).

Em termos de idade, o membro mais novo tem 27 anos e o mais velho 76, situando-se a média de idades nos 55 anos.

Em comparação com o Parlamento Europeu e o Comité das Regiões, as outras assembleias da UE renovadas regularmente embora numa base diferente, o CESE apresenta atualmente uma percentagem mais baixa de novos membros e de mulheres do que o Parlamento (58,50% e 40,40% respetivamente), mas uma percentagem superior à do Comité das Regiões (31% e 29,10%). (dm)