Como aproveitar uma oportunidade há muito esperada

Declaração de Christa Schweng, presidente do CESE, sobre o lançamento da Conferência sobre o Futuro da Europa

No dia do lançamento da Conferência sobre o Futuro da Europa, encorajo os cidadãos a participarem nesta iniciativa histórica. Gostaria também de apelar aos responsáveis políticos para que assegurem que tiramos o máximo partido do que as pessoas têm a dizer.

A conferência é um exercício único de democracia participativa. Para ser bem-sucedida, deve centrar-se numa participação orientada da base para o topo. Temos de chegar às pessoas comuns, dos quatro cantos da UE, e ouvir o que têm a dizer. Temos de dialogar do mesmo modo com quem já aderiu ao projeto europeu e com quem está hesitante.

No entanto, ouvir as pessoas é só o primeiro passo. As ideias expressas nos eventos da conferência devem dar lugar a recomendações concretas para a ação da UE. Recomendo também que se opte por uma abordagem prática no que diz respeito ao âmbito do debate. É preferível chegar a conclusões menos ambiciosas, mas aceites por todos, do que lançar-se em discussões filosóficas de alto nível sem a possibilidade de se chegar a um consenso.

Além disso, os progressos devem ser mensuráveis. Sou favorável à criação de um «painel» através do qual os cidadãos possam acompanhar as medidas decorrentes da conferência. As pessoas devem poder ter uma visão clara da situação e dispor de um calendário referente aos temas em que trabalharam. As instituições devem explicar por que motivo dão seguimento, ou não, a determinadas propostas.

O futuro da Europa exige uma narrativa nova e positiva. Devemos demonstrar que a Europa é um lugar excelente para viver e prosperar, que oferece a todos a oportunidade de viver a vida que desejam, com base em valores comuns. Os cidadãos dos Estados Unidos têm orgulho no seu sonho americano. Creio que chegou o momento de os europeus começarem finalmente a apreciar o seu próprio estilo de vida e os benefícios que daí advêm.

O CESE continuará a contribuir ativamente para a conferência, através dos seus próprios eventos e da mobilização das organizações da sociedade civil de toda a Europa. Esperamos que a nossa voz seja ouvida alto e bom som. Se quisermos realmente devolver o projeto europeu aos cidadãos, a sociedade civil deve assumir o controlo.