Transição energética – Acelerar o ritmo da UE

É necessário acelerar significativamente o ritmo de transformação rumo à União da Energia se quisermos cumprir os objetivos da UE em matéria de energia e clima para 2050. No entanto, ignorar a situação social e económica em cada Estado-Membro pode ser perigoso, defende o CESE num parecer recente.

Perder de vista a situação social e económica em cada Estado-Membro pode comprometer a aceitação social dos investimentos e das reformas que visam acelerar a transição energética, sublinha o CESE.

No parecer, elaborado por Lutz Ribbe e adotado na reunião plenária de março, o CESE apresenta a sua posição em relação ao Relatório de 2020 sobre o estado da União da Energia e a avaliação dos planos nacionais em matéria de energia e clima, afirmando que, embora os objetivos em matéria de energia e clima para 2020 tenham sido, no essencial, atingidos, tal não é motivo para satisfação.

Os objetivos para os próximos 30 anos, a contar da década de 2020, são muito mais ambiciosos e colocam verdadeiramente os cidadãos no centro da União da Energia.

«A transformação energética estará ameaçada se os responsáveis políticos não levarem a sério e não honrarem a promessa de uma participação alargada da sociedade», declarou Lutz Ribbe. (mp)