Cinco perguntas a Eleonora Di Nicolantonio

Eleonora Di Nicolantonio sucedeu a Peter Lindvald-Nielsen em 1 de outubro de 2018 e é a nova chefe de unidade do Departamento da Comunicação do CESE.

  1. Está a dar os primeiros passos na sua nova função. Quais são os seus principais objetivos para o Departamento da Comunicação?

O principal objetivo do Departamento da Comunicação consiste em conseguir «comunicar o Comité» recorrendo às várias ferramentas disponíveis, das mais tradicionais (comunicados de imprensa, boletins informativos, brochuras, etc.) às mais recentes (publicação digital, redes sociais, etc.). Trata-se, sem dúvida, de uma tarefa desafiante. O CESE é uma instituição única no panorama da UE e o Departamento da Comunicação, através das suas Unidades de Imprensa, Informação em Linha, Visitas e Conferências, continuará a trabalhar afincadamente para que a voz da sociedade civil seja ouvida onde for pertinente.

  1. O que pode ser feito para dar mais visibilidade ao CESE relativamente aos principais desafios que se colocam à UE em 2019?

A União atravessa um período conturbado e interessante: temos as propostas para o Quadro Financeiro Plurianual pós-2020 (sobre o qual o CESE foi a primeira instituição a adotar uma posição formal), as próximas eleições europeias e o Brexit no horizonte. Como se pode constatar, não se trata apenas de dar mais visibilidade ao CESE, mas também de explorar o seu potencial para desempenhar um papel ativo e útil através do trabalho dos seus membros e da sua valiosa rede de organizações. 

  1. Que papel gostaria que o CESE desempenhasse durante a campanha para as eleições europeias?

O Grupo da Comunicação adotou recentemente um verdadeiro plano de ação em matéria de comunicação para as eleições europeias que prevê várias ações e projetos (desde o evento dedicado aos jovens às visitas «Going local» [Agir a nível local]). É a singularidade do CESE que permitirá aos nossos membros desempenhar um papel especial no período que precede as eleições, já que podem ser, simultaneamente, agentes multiplicadores (através das suas redes de base), embaixadores da UE e, porque não, influenciadores!

  1. Tem uma longa experiência profissional no CESE. Qual é a verdadeira força do Comité relativamente a outras instituições da UE?

Correndo o risco de me repetir, diria que são os seus membros. São eles a verdadeira voz da sociedade civil organizada.

  1. Qual é o seu lema, o princípio fundamental que orienta as suas ações e a sua forma de pensar?

«Segue o coração, mas não deixes de usar a cabeça!» (ehp)