CESE reclama medidas obrigatórias para plataformas em linha a fim de combater desinformação

As plataformas das redes sociais devem tornar-se mais responsáveis e obedecer a regras apertadas. O Comité concorda com a Comissão Europeia: tal representaria um grande passo em frente na luta contra a desinformação. No entanto, a proposta da Comissão carece de medidas concretas para alcançar estes objetivos. No parecer elaborado por Martin Siecker e adotado na reunião plenária de 19 de setembro de 2018, o CESE insta a Comissão a aprovar medidas obrigatórias.

O aumento da produção organizada de desinformação por diferentes intervenientes estatais e não estatais constitui uma verdadeira ameaça para a democracia, uma vez que o bom funcionamento de um sistema democrático assenta em cidadãos bem informados cujas escolhas se baseiam em dados fiáveis e em opiniões dignas de confiança.

Um dos principais problemas da desinformação é que é praticamente impossível verificar a identidade das fontes na Internet. Além disso, as pessoas e organizações que operam no ciberespaço com intenção dolosa recorrem a identidades falsas. «A tecnologia não é boa ou má em si, mas pode ser utilizada no bom ou no mau sentido. Tudo depende de quem a emprega», afirmou Martin Siecker. «Temos, portanto, de combater a desinformação com as mesmas armas e tirar partido do potencial das novas tecnologias para informar os cidadãos de forma correta e segura», concluiu. (mp)