pelo Grupo dos Empregadores do CESE

Segundo a Declaração de Helsínquia sobre uma Europa Aberta, «uma economia aberta e uma sociedade aberta são fatores essenciais da prosperidade, do bem-estar e do modo de vida europeus». A declaração foi assinada pelo Grupo do Empregadores do CESE, a Confederação da Indústria Finlandesa (EK) e a Câmara do Comércio da Finlândia, por ocasião da conferência intitulada «Uma Europa aberta – De que forma nos beneficia a todos?», realizada em Helsínquia, Finlândia, em 9 de outubro.

O evento reuniu oradores de alto nível em representação, designadamente, da Presidência finlandesa e do Governo finlandês, de institutos de investigação e do Grupo dos Empregadores do CESE. Em termos gerais, concordou-se que uma Europa aberta era um requisito fundamental para o futuro poderio da UE, quer no plano económico, quer no plano social.

«O sistema europeu assenta na abertura e acreditamos nele. Está a ser atacado por outros países, mas queremos defendê-lo», declarou Jyri Häkämies, diretor-geral da Confederação da Indústria Finlandesa EK, no seu discurso de abertura. «Só uma UE forte poderá fazer face à concorrência, à incerteza e à instabilidade à escala mundial e garantir a segurança e o bem-estar dos cidadãos europeus», acrescentou Jacek Krawczyk, presidente do Grupo dos Empregadores.

A Declaração de Helsínquia sobre uma Europa Aberta reflete esta convicção. Destaca que uma economia europeia aberta exige a promoção do comércio internacional assente em regras, o reforço de um mercado único plenamente funcional e a adoção da inovação, das competências e da concorrência enquanto premissas do desenvolvimento económico. Para uma UE forte, esses aspetos devem ser conjugados com uma sociedade aberta assente em valores, que defenda o Estado de direito, promova o diálogo com a sociedade civil e reconheça a diversidade individual.

O texto completo da declaração pode ser consultado em:

 https://www.eesc.europa.eu/sites/default/files/files/helsinki_declaration_on_open_europe.pdf (lj)