You are here

27 garrafas recicladas para fazer uma T-shirt

Para ser bem-sucedida, uma estratégia para os plásticos pressupõe medidas eficazes nos domínios da educação e da formação, a fim de promover o respeito pelo equilíbrio dinâmico da biosfera. No intuito de melhorar a reciclabilidade dos plásticos e acelerar a transição para uma economia circular, há que criar incentivos ao nível da conceção e dos comportamentos e desenvolver normas técnicas e regulamentares comuns.

No seu parecer sobre a Comunicação da Comissão – Uma Estratégia Europeia para os Plásticos numa Economia Circular, o Comité assinala que a reciclagem dos plásticos constitui uma oportunidade vital para um desenvolvimento económico sustentável e competitivo. Os objetos em plástico devem ser encarados como uma matéria-prima valiosa que deve ser recuperada. «Precisamos de uma cultura europeia da circularidade dos plásticos baseada na análise de todo o ciclo de vida dos produtos», afirmou Antonello Pezzini, relator do parecer, «que só pode funcionar com o envolvimento dos cidadãos e da sociedade civil. É preciso fazer com que as vantagens da triagem e reciclagem dos plásticos se tornem mais visíveis para os cidadãos europeus».

Os microplásticos, frequentemente utilizados em detergentes, cosméticos, mobiliário e tintas, merecem uma atenção especial uma vez que a poluição proveniente desta fonte é um dos maiores perigos para o ambiente e para a saúde humana.

Do PET ao tecido

O CESE encoraja a recolha seletiva e, sobretudo, a reciclagem do polietileno tereftalato (PET), que podem gerar benefícios económicos na UE, com novas atividades de produção e laborais. A transformação do PET em tecido é um processo inovador e respeitador do ambiente, que garante a qualidade desde a conceção até às técnicas de produção. E os números são impressionantes: para fazer uma camisola polar são precisas apenas cerca de 27 garrafas de litro e meio – aproximadamente o consumo semanal de água recomendado para um agregado familiar de quatro pessoas. (sma)