Em 2 de junho, alguns dias depois de a Comissão Europeia apresentar a sua proposta de um vasto plano de recuperação para fazer face às consequências da pandemia de COVID-19, o CESE organizou um debate em linha, a fim de avaliar se o plano está à altura do desafio. Todos os participantes foram unânimes sobre a importância desta iniciativa ambiciosa enquanto exemplo de solidariedade entre todos os Estados-Membros da UE em tempos de incerteza.

Valdis Dombrovskis, vice-presidente executivo da Comissão Europeia, salientou a resposta rápida das instituições da UE à crise, que inclui uma rede de segurança já operacional para proteger os trabalhadores e os rendimentos das pessoas: «Os Estados-Membros devem utilizar estes instrumentos para salvar postos de trabalho e assegurar a liquidez, especialmente das PME. Estas verbas já estão disponíveis e estão a chegar às empresas e aos cidadãos».

Esta foi também a principal mensagem transmitida por Luca Jahier, presidente do CESE, que mencionou a solidariedade sem precedentes demonstrada pela UE: «A Europa fez mais em dois meses e meio do que nos quatro anos que se seguiram à crise financeira – eis o resultado de um amplo consenso político».

Irene Tinagli, presidente da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, frisou que «a presente proposta mostra que a UE está disposta a fazer tudo o que for necessário para superar a crise. Tal só será possível se todos os países da UE trabalharem em conjunto de forma determinada».

Amélie de Montchalin, secretária de Estado dos Assuntos Europeus da França, subscreveu este ponto de vista e mencionou a importância de preservar o mercado interno, uma vez que «nenhum país consegue superar esta crise sozinho». Salientou também o facto de a proposta incluir um plano de investimento a longo prazo «para assegurar que a UE encontra o seu lugar num mundo complexo».

Todos os participantes no seminário frisaram que agora o principal desafio é a execução do plano de recuperação, para que os cidadãos e as empresas possam beneficiar o mais rapidamente possível do mesmo. (dgf)