Reforço das redes de energia da Europa é crucial para a União da Energia

Redes de energia europeias mais fortes e interconectadas são uma condição essencial para a União Europeia da Energia. Os sistemas energéticos europeus só conseguirão atingir o fim a que se destinam – fornecer aos cidadãos energia económica, sustentável e segura, numa base competitiva – se a Europa dispuser de redes de energia integradas e bem desenvolvidas.

No parecer do CESE, adotado na reunião plenária de abril e redigido por Andrés Barceló Delgado, o Comité saúda a Comunicação da Comissão sobre o reforço das redes de energia da Europa e salienta que o apoio financeiro a título do Mecanismo Interligar a Europa (MIE) permitiu viabilizar um número crescente de projetos em toda a Europa.

«Ainda há muito trabalho a fazer», afirmou Andrés Barceló Delgado. «Muitos Estados-Membros não conseguirão alcançar o objetivo de 10% de interligação até 2020. As causas na origem de tais insucessos (trâmites administrativos complexos, implicações políticas, financiamento, falta de apoio do público) carecem ainda de resposta adequada e correm o risco de comprometer o cumprimento dos objetivos para 2030», acrescentou.

A fim de fazer frente a algumas questões pendentes, o CESE apresenta, pois, um conjunto de recomendações em prol de análises mais adequadas, da plena implicação das partes interessadas numa fase mais precoce e do aumento do orçamento. (mp)