Organizações de empregadores e as eleições europeias

pelo Grupo dos Empregadores do CESE

A comunidade empresarial tem de se fazer ouvir alto e bom som na campanha para as eleições europeias. As organizações de empregadores devem enfatizar não só as suas necessidades e expectativas para o próximo mandato do Parlamento Europeu, como também os benefícios que a União Europeia traz para as suas atividades e para a vida quotidiana das pessoas. Eis algumas das conclusões que resultaram do debate com os representantes da BusinessEurope, da SMEunited e do CEEP (Centro Europeu dos Empregadores e Empresas que prestam Serviços Públicos) por ocasião da reunião do Grupo dos Empregadores do CESE, em fevereiro.

«Digitalização, transição para uma economia verde e acesso a pessoal qualificado e a tecnologia a preços acessíveis – são estes os principais desafios para os quais as PME entendem necessitar do apoio da UE», afirmou Veronique Willems, secretária-geral da SMEunited. A organização considera que a melhor forma de alcançar bons resultados é privilegiar uma política horizontal para as PME, em detrimento de uma abordagem setorial.

«Temos de ajudar as pessoas a compreender que o modo de vida europeu é o melhor do mundo e que isso se deve à UE. Esta tarefa é uma responsabilidade comum de toda comunidade empresarial», sublinhou Markus Beyrer, diretor-geral da BusinessEurope. A sua organização participa, através dos seus membros, em campanhas para aumentar a participação eleitoral, tanto a nível europeu como nacional.

As prioridades da CEEP centram-se em três «D»: digitalização, descarbonização e envelhecimento demográfico. «Estas três tendências constituem o núcleo das nossas atividades es é nestes domínios que temos de reforçar a nossa colaboração», afirmou Valeria Ronzitti, secretária-geral do CEEP. (lj)