CESE no Dia Europeu da Indústria

«A indústria europeia enfrenta desafios de enorme magnitude que nenhum Estado-Membro consegue ultrapassar sozinho. Mas as oportunidades também são imensas. Temos de as agarrar para manter a liderança nos muitos setores em que estamos à frente e recuperá-la nos domínios em que estamos à beira de a perder para a concorrência».

«No entanto, esta cruzada só poderá ser vitoriosa se os 28 Estados-Membros atuarem em conjunto e não cada um por si. Exorto, por isso, a Comissão e os Estados-Membros a fundirem as inúmeras políticas existentes numa única estratégia a mais longo prazo e a mobilizarem os países no sentido de uma ação coerente em prol dos polos industriais além-fronteiras», afirmou Gonçalo Lobo Xavier, vice-presidente do CESE, no Dia Europeu da Indústria.

No seu Parecer – Investir numa indústria inteligente, inovadora e sustentável, adotado a 15 de fevereiro, o CESE também defende a conclusão do mercado único, incluindo o mercado de capitais. É particularmente necessário reforçar a normalização e a autorregulação.

«A economia hipocarbónica e circular oferece muitas oportunidades de negócio. Para as podermos agarrar, precisamos de um quadro comum e de uma estratégia a mais longo prazo, bem como do compromisso dos Estados-Membros no sentido de uma ação coerente. Além disso, as nossas empresas precisam de dispor de condições de concorrência equitativas. A Comissão deve, portanto, combater ativamente as práticas comerciais desleais», salientou Bojidar Danev, relator do parecer.

Uma vez que a estrutura do mercado de trabalho assistirá a uma transformação profunda, o CESE defende avaliações de impacto adequadas, a fim de evitar eventuais repercussões negativas para os trabalhadores. Há que recorrer de modo mais generalizado a soluções de formação em contexto laboral para permitir a todos os trabalhadores melhorar as competências e as capacidades digitais.

«As pessoas têm de estar no cerne da mudança», frisou a correlatora do parecer, Monica Sitarová Hrušecká. «Há que explorar as oportunidades oferecidas pelas novas tecnologias não só para criar novos produtos, mas também para melhorar as condições de trabalho do pessoal». (sma)

Na fotografia: Gonçalo Lobo Xavier, vice-presidente do CESE