Sociedades fora das metrópoles: o papel das organizações da sociedade civil no combate ao populismo

Pelo Grupo Diversidade Europa do CESE

O populismo na UE encontra-se nos seus níveis mais elevados desde a década de 1930. Neste contexto, o Grupo Diversidade Europa do CESE realizou um estudo intitulado Societies Outside Metropolises: the Role of Civil Society Organisations in Facing Populism [As sociedades fora das metrópoles: o papel das organizações da sociedade civil no combate ao populismo], já disponível em linha.

O estudo identifica os fatores que influenciam os cidadãos levando-os a optar pelo populismo e aborda o papel das organizações da sociedade civil na luta contra este fenómeno. O estudo analisa 8 zonas não metropolitanas de quatro países diferentes, caracterizadas por uma elevada proporção de votos em partidos populistas (em cada país, uma zona não metropolitana abaixo da média da UE e outra acima):

  • Klagenfurt-Villach e Niederösterreich-Süd (Áustria);
  • Drôme e Aisne (França);
  • Udine e Reggio di Calabria (Itália);
  • Płocki e Nowosądecki (Polónia).

O declínio económico, a instabilidade social e os níveis limitados de instrução são fatores que explicam, em parte, o aumento do apoio ao populismo em toda a UE. No entanto, há outros fatores mais relevantes e interdependentes. Por exemplo, a desinformação que circula alimenta diariamente um sentimento de insegurança, real ou percecionada. Ao mesmo tempo, muitos jovens eleitores sentem-se atraídos pela ideia de que os partidos populistas podem trazer uma mudança positiva aos sistemas políticos marcados pelo imobilismo e a incompetência.

O Grupo Diversidade Europa está convicto de que os membros do CESE têm uma dupla responsabilidade: intensificar as atividades a nível nacional e europeu para reforçar as redes e explicar melhor a «Europa», aproximando-a dos cidadãos. Em última análise, proteger e preservar a democracia liberal é uma responsabilidade de todos! (cl)