Tastes of Danube – No pão confiamos

Se queremos aproximar os europeus da ideia de uma Europa unida e pacífica, temos de envolver os cidadãos comuns, afirma Eva Hrabal, da organização vencedora.

CESE Info: Pode explicar o que este prémio significa para si e para a sua organização?

Tastes of Danube [Sabores do Danúbio]: O prémio é um grande reconhecimento dos esforços que envidámos para reunir pessoas de todas as idades, etnias e meios sociais de todos os países do Danúbio, unindo-as em torno do tema do pão, e sensibilizando-as para as nossas raízes culturais comuns na região do Danúbio e na Europa. É uma grande satisfação e honra para as numerosas organizações e pessoas que participam neste projeto, em particular os voluntários. Proporcionará um forte impulso para alargar a cooperação europeia e criar um «roteiro cultural do pão» em toda a Europa. O prémio fortalecerá a nossa amizade intercultural ao longo do Danúbio, encorajará outros a associarem-se às nossas atividades e contribuirá para difundir a ideia na região do Danúbio e em toda a Europa, criando ligações com um número ainda maior de pessoas.

Que conselhos daria a outras organizações para obterem bons resultados em atividades e programas deste tipo?

Se queremos aproximar os europeus da ideia de uma Europa unida e pacífica, temos de envolver os cidadãos comuns e, acima de tudo, acreditar na nossa própria visão. Há que procurar parceiros que partilhem essa visão, bem como organizações e parceiros que prestem apoio financeiro. Há que encontrar uma ideia que ajude a superar as barreiras linguísticas graças a uma atividade comum, e envolver os voluntários desde o início em pé de igualdade. Há que aproveitar as oportunidades oferecidas pelos meios de comunicação digitais em matéria de comunicação e cooperação. Devemos começar em pequena escala e demonstrar o nosso valor, depois haverá um efeito multiplicador.

Como usarão este financiamento específico para ajudar a comunidade?

Será uma combinação de financiamento estrutural e apoio a eventos a fim de associar mais parceiros ao «roteiro cultural do pão». Esperamos que o prémio nos ajude a encontrar mais patrocinadores, porque os grandes projetos exigem um grande financiamento.

Na sua opinião, qual é a melhor forma de assegurar que cada país preserva e se orgulha do seu património cultural, tirando simultaneamente pleno partido da diversidade cultural que a Europa oferece?

Importa tornar visível a diversidade das tradições culturais e das línguas e reconhecê-la como um valor que enriquece a nossa casa comum europeia. Devemos sensibilizar os cidadãos para o facto de que todos temos muito em comum na nossa vida quotidiana – na nossa história e cultura. Há que promover a comunicação e a cooperação entre os cidadãos dos países do Oeste, Leste e Sudeste através de atividades comuns, a fim de reduzir os preconceitos e fomentar uma consciência europeia. Importa concretizar os valores europeus trabalhando em conjunto com métodos inovadores, estabelecer um orçamento para projetos culturais transnacionais a pequena escala e criar oportunidades para reunir organizações da sociedade civil pequenas mas ativas. Temos de fazer com que as pessoas se sintam em casa na Europa!