A organização alemã «Danube-Networkers for Europe» foi a vencedora do Prémio CESE para a Sociedade Civil 2018

O Comité Económico e Social Europeu (CESE) distinguiu em 13 de dezembro cinco organizações da sociedade civil pelos seus projetos notáveis que reafirmam os valores europeus, celebram a diversidade das várias identidades da Europa e promovem o património cultural como forma de reunir de novo os europeus.

O projeto alemão «Brot verbindet entlang der Donau» [Pão como traço de união ao longo do Danúbio], gerido pela organização sem fins lucrativos «Danube-Networkers for Europe (DANET)» recebeu o primeiro prémio no valor de 14 000 euros. As outras quatro iniciativas, SWANS, da Alemanha, Eco Museum, da Itália, Safe Passage, do Reino Unido, e Balkans Beyond Borders, da Grécia, receberam cada uma 9 000 euros.

«No âmbito do Ano Europeu do Património Cultural 2018, o CESE espera que este prémio promova a sensibilização para a riqueza cultural da Europa e para a multiplicidade e riqueza das identidades europeias. Pretende promover projetos que forjem um sentimento comum de pertença e de finalidade através da – e com base na – diversidade. O seu objetivo é dar projeção aos muitos projetos em toda a Europa que promovem os valores europeus, tais como o respeito da dignidade humana e dos direitos humanos, a liberdade, a democracia, a igualdade e o Estado de direito. Por último, mas não menos importante, este prémio é um obrigada a todas as pessoas e organizações que lutam no seu dia a dia por uma Europa assente nestes valores», afirmou o presidente do CESE, Luca Jahier, na cerimónia de entrega do prémio, em Bruxelas.

A ideia por detrás do projeto vencedor da organização DANET, «Brot verbindet entlang der Donau» [Pão como traço de união ao longo do Danúbio], é levar as pessoas a verem no pão uma forma partilhada de património cultural imaterial, que as une na sua diversidade. Como parte do projeto, foram organizados festivais e atividades de fabrico de pão em diferentes países banhados pelo Danúbio, que reuniram pessoas de todas as idades, etnias e estratos sociais.

Embora esteja registada na Alemanha, a DANET é uma organização de cúpula para os vários peritos e organizações sem fins lucrativos dos países do Danúbio, como a Áustria, Croácia, Bulgária, Roménia, Sérvia, Eslováquia e Hungria. Sendo uma associação sem fins lucrativos que promove formas de aprendizagem inovadoras e a participação social de todos os cidadãos, a DANET espera que o seu projeto sensibilize as pessoas para as raízes culturais comuns na região do Danúbio e na Europa, fomentando o diálogo e reforçando os laços entre as diferentes gerações e culturas da Europa.

Ao receber o prémio, a presidente da DANET, Carmen Stadelhofer, disse: «O pão sempre foi um símbolo de comunidade e de partilha. Com o nosso projeto, queremos derrubar barreiras e fazer algo para uma Europa solidária e pacífica. Trabalhamos a partir da base e tentamos envolver todos os cidadãos. Reunimos diferentes grupos étnicos que, de outro modo, poderiam não ter oportunidade para tal. Reunimos idosos e jovens e incluímos os que podem ter dificuldade em encontrar o seu lugar na sociedade. Este prémio é um sinal de reconhecimento e uma grande honra para as muitas organizações e pessoas envolvidas no nosso projeto.»

Para ver o vídeo sobre os projetos vencedores clique aqui.

Outra iniciativa galardoada é a SWANS, a primeira no seu género na Alemanha. É gerida por um grupo de voluntárias que organizam seminários de gestão pessoal de carreira e de liderança para estudantes universitárias provenientes de famílias imigrantes e para mulheres de cor, com o objetivo de as ajudar a obter o emprego que merecem e de pôr fim à discriminação de que são alvo no mercado de trabalho.

O projeto italiano galardoado, Eco Museum, é gerido pela cooperativa social Aria Nuova. O seu objetivo é ajudar doentes mentais institucionalizados a vivenciarem em primeira mão a arte e a cultura, com base no reconhecimento de que o direito à cultura é universal.

A campanha cultural, intitulada «Decorridos 80 anos, as crianças refugiadas continuam a precisar de uma passagem segura», levada a cabo pela organização Safe Passage do Reino Unido, visa obter um maior apoio da população em relação aos refugiados mais jovens da atualidade, comparando a situação atual com o programa «Kindertransport», uma operação de salvamento em massa durante a Segunda Guerra Mundial, em que cidadãos britânicos acolheram crianças em fuga da perseguição nazi. A organização Safe Passage já ajudou mais de 1 500 crianças a encontrar um porto de abrigo através de rotas seguras e legais.

O vencedor grego é um festival de curtas metragens, gerido pela organização Balkans Beyond Borders. O festival, que tem lugar todos os anos numa cidade diferente dos Balcãs, apresenta filmes de realizadores provenientes dos Balcãs, e não só, e utiliza a arte como uma força capaz de fazer ultrapassar as diferenças enraizadas no passado conturbado da região.

O Prémio CESE para a Sociedade Civil, que vai este ano na sua 10.ª edição, atraiu 150 candidatos de nada menos do que 27 Estados-Membros da UE, o que é revelador do enorme entusiasmo da sociedade civil dos quatro cantos da UE em promover os valores europeus e o património cultural. Com a atribuição deste prémio, o CESE pretende contribuir para o trabalho, orientado para as comunidades, realizado por organizações e indivíduos.

O prémio visa recompensar a «excelência em iniciativas da sociedade civil e é subordinado a um tema diferente todos os anos que abrange uma área importante das atividades do CESE. O Prémio de 2017 teve como tema «Empreendedorismo inovador em prol da integração no mercado de trabalho de grupos desfavorecidos».