O futuro dos Balcãs Ocidentais deve ser um futuro europeu

Mais de 100 representantes da sociedade civil adotaram o seu contributo para a Cimeira de chefes de Estado da UE e dos Balcãs Ocidentais em Sófia, em 15 de maio.

Os participantes na conferência de alto nível estão convictos de que o alargamento da UE, e em particular a difusão dos seus valores democráticos e normas jurídicas na região dos Balcãs Ocidentais, foi do interesse dos respetivos países e da UE. Promover os valores da UE na região garante a segurança e a estabilidade e reforça o desenvolvimento económico e social, a democracia e o Estado de direito nesses países, o que, por seu turno, se traduz em estabilidade e segurança na UE.

«O futuro da região é um futuro europeu», sublinhou o presidente do CESE, Luca Jahier, na sua intervenção na conferência. «Estou convencido de que não existe outra alternativa para a UE e para os países dos Balcãs Ocidentais senão dar passos firmes, transformadores e sustentáveis rumo à plena adesão».

 «Acredito verdadeiramente que é do interesse não apenas dos países dos Balcãs Ocidentais e dos seus cidadãos, mas também de todos nós na UE, integrar esta região na nossa União comum, o mais rapidamente possível», afirmou Dilyana Slavova, presidente da Secção Especializada de Relações Externas do CESE, na abertura da conferência.

A vice-primeira-ministra responsável pela Reforma Judicial e ministra dos Negócios Estrangeiros da Bulgária, Ekaterina Zaharieva, sublinhou igualmente a necessidade de envolver a sociedade civil: «Os parceiros sociais desempenham um papel importante no desenvolvimento socioeconómico e na coesão dos Balcãs Ocidentais», manifestando ainda o desejo de ver dois países dos Balcãs Ocidentais tornarem-se membros da UE até 2025.

 Os representantes das organizações da sociedade civil concentraram-se particularmente nos direitos e na capacitação dos grupos vulneráveis na região.(sg)