Ninguém deve ficar para trás na revolução digital

Eis a principal mensagem da conferência sobre digitalização organizada pelo Comité Económico e Social Europeu na Áustria, em 19 de junho mso-ascii-theme-font:minor-latin;mso-fareast-font-family:"Times New Roman";
mso-hansi-theme-font:minor-latin;mso-bidi-font-family:"Times New Roman";
mso-ansi-language:EN-US;mso-fareast-language:EN-US;mso-bidi-language:AR-SA">

Participaram na conferência representantes do ministério dos Assuntos Económicos e Digitais da Áustria, do município de Viena e de um vasto leque de organizações da sociedade civil da Áustria. O evento contou ainda com um painel de jovens peritos austríacos no domínio da digitalização provenientes de organizações da sociedade civil também representadas nos três grupos do CESE – Empregadores, Trabalhadores e Diversidade Europa.

«Não é fácil assegurar que o processo de digitalização beneficia todos os estratos da sociedade de igual forma», sublinhou o presidente do CESE, Luca Jahier, no seu discurso de abertura. «É precisamente por isso que o Comité Económico e Social Europeu promove o conceito de “justiça digital” – não queremos que ninguém fique para trás na revolução digital». 

A conferência sobre digitalização realizou-se após a reunião extraordinária da Mesa do CESE, que teve lugar em Viena. O tema da conferência está em consonância com as prioridades da Presidência austríaca do Conselho da União Europeia, que se inicia em 1 de julho de 2018. (sg)