Benefícios económicos a nível regional da transição energética frequentemente esquecidos

Em 31 de maio, o Comité Económico e Social Europeu (CESE) realizou uma audição sobre a transição energética nas regiões da Europa para pôr em evidência os benefícios económicos a nível regional da transição para um aprovisionamento energético descentralizado e hipocarbónico, um tema, em grande medida, por explorar, não obstante a dimensão marcadamente regional desta transição.

A transição para as energias limpas e renováveis pode revelar-se particularmente benéfica para as regiões menos prósperas, reduzindo assim as desigualdades entre diferentes zonas da Europa e assegurando uma melhor coesão social e regional em toda a UE. A energia produzida localmente pelos cidadãos também contribui para a redução da pobreza energética.

Isso mesmo foi demonstrado por dois exemplos de iniciativas de sucesso apresentados na audição. O primeiro, tratou-se de um projeto executado no município alemão de Treuenbrietzen, que atingiu o objetivo de assegurar o aprovisionamento descentralizado e independente de energia limpa à comunidade, até então desprovida de um abastecimento energético adequado.

O outro projeto de sucesso em matéria de transição energética foi levado a cabo pelo município de Turosn Koscielna, na Polónia oriental, uma das regiões mais pobres da UE, e resultou numa redução drástica das emissões de CO2 e numa poupança anual de 95 mil euros.

Os resultados da audição contribuirão para o parecer do CESE – Impacto de uma nova estrutura de aprovisionamento energético sem emissões de carbono, descentralizada e digitalizada no emprego e nas economias regionais, que será apresentado na reunião plenária do CESE de julho, na presença do vice-presidente da Comissão Europeia Maroš Šefčovič. (ll)